“Da conjugalidade à parentalidade…” por Mª Teresa Ribeiro

Quando uma mulher e um homem se amam, desejar um(a) filho(a) é o que há de mais natural.‘ Ser mãe ’ e ‘ser pai’ é, para muitos, a experiência existencial mais profunda da sua vida, assinalando no processo evolutivo familiar uma mudança normativa: a transição da conjugalidade para a parentalidade.Maternidade e Paternidade como um encontro – um encontro especial, com contornos únicos, cada um aprendendo o que é “ ser mãe ”, “ser pai” e “ser filho”.Maternidade

Transforme o Negativo no Positivo (2 aos 3 anos)

Provavelmente a palavra preferida do seu pequenote nesta fase é o “Não”. Talvez por ainda não conseguir associar a palavra à sua causa. Trata-se de um sinal da crescente consciência da sua criança e do desejo de causar impacto no mundo. Permita que a criança sinta o poder do “Não” fazendo-lhe questões absurdas, tais como “Estamos sentados no meio do oceano?”.Desta forma a criança aprenderá outras aplicações e sonoridades da palavra “Não”.

5 Dicas para educar crianças bondosas

Pesquisadores da Harvard University dão 5 dicas de como educar crianças éticas e bondosas.O objectivo final e maior de todos os educadores, pais e familiares é criar crianças que se tornem no futuro em adultos bem sucedidos e felizes no futuro, correcto?Segundo as orientações dos pesquisadores de Harvard há uma formula de sucesso: ensine as crianças desde cedo a serem pessoas generosas e altruístas.Não só é realmente a acção certa como humanos e como parte activa da sociedade ao

Deixá-lo ir…

Sobre a autonomiaA primeira sopa, o primeiro passo, a fralda que se deixa, a roupa que se quer escolher, o discurso cada vez mais argumentativo, um deixa estar porque eu sou capaz… Cada nova conquista do seu “bebé” representa uma aproximação do(s) momento(s) de “deixá-lo ir”.Permitir que a criança caminhe no sentido da sua autonomia, nem sempre é fácil. Mas, garantidamente, é essencial para o crescimento saudável de um ser humano. Mães e pais que, de forma consistente, transmitem ao

Tomar decisões faz parte do crescimento

CrescerHá cada vez mais meninos que dizem que não querem crescer. Porquê? Os adultos andam constantemente aborrecidos, tensos, angustiados e rabugentos e eles não querem ser assim. A própria linguagem verbal dos pais, frequentemente centrada nas críticas em detrimento do elogio, favorece a dependência. Discursos como “Quem te mandou fazer isso?”, “Alguém te perguntou alguma coisa?”, “Nunca estás quieto.” ou “Isso não é assim que se faz, és um desastre.”, são frequentes. Este tipo de verbalizações passa à criança a