Mamã, tenho medo do escuro!

//Mamã, tenho medo do escuro!

O seu filho, sempre tão corajoso durante o dia, queixa-se com medo do escuro à noite? Como afastar este medo do seu coraçãozinho assustado?

 

Sabemos que, eventualmente, já tenha sido há muito tempo… mas também deve ter sentido medo do escuro. Este medo é perfeitamente normal mas é preciso distingui-lo, consoante a idade das crianças.

Nas crianças entre 1 ano e meio e os 3 anos é um medo primário, arcaico e visceral. Nas crianças entre os 4 anos e os 10 anos, o medo já é um pouco mais complexo. Entendamos as diferenças!

Nas crianças entre 1 ano e meio e os 3 anos

 

O medo do escuro está muito associado a medos muito específicos. Temos o exemplo do Lobo Mau. Nesta idade, a criança tem um medo real de ser devorada. Está mesmo convencida que animais ferozes se escondem atrás das cortinas. Este seu medo está muito associado ao medo do vazio debaixo da cama e à sua cama.

Por isso, nem sequer se atreve a colocar um braço a pender fora da cama. Só de imaginar que tem de percorrer um caminho longo e escuro até à casa de banho, pode chegar a fazer xixi na cama.

Nas crianças entre os 4 anos e os 10 anos

 

Nesta idade, descortinar o medo do escuro já é mais complexo. Eis algumas razões pelas quais esse medo ainda persiste:

  • Há um medo perante o desconhecido (Com luz, nada se vê. Sem luz, podem aparecer feiticeiras, ladrões e até velhas esquisitas!)
  • Angústia a nível escolar (Não sentir que está à altura dos desafios apresentados diariamente, por exemplo. Ou a presença de colegas mais fortes durante o recreio)
  • Questões existenciais angustiantes (O que se passa depois de adormecermos? E se não voltar a acordar?)

 

Como ajudar o seu filho?

 

1 – Peça para partilhar consigo o seu medo. Se ele não conseguir, peça para lhe fazer um desenho.

2 – Pode comprar uma luz de presença, para que a criança se sinta “acompanhada”.

3 – Compre um ou mais livros sobre esta temática. Com a leitura, a criança vai aperceber-se que é um medo amplamente partilhado. E assim, ela ficará muito mais tranquila.

4 – Peça ao Pai (o representante da autoridade e da força, na família) que munido com um brinquedo, o empreste ao seu filho para o acalmar. Por exemplo, uma régua ou uma espada de plástico. Esta estratégia funciona muito bem com os mais pequenitos.

5 – Dar um longo e sentido abraço.

 

 

 

No comments yet.

Leave a comment

Your email address will not be published.