“Da conjugalidade à parentalidade…” por Mª Teresa Ribeiro

Junte-se a nossa lista

Entre para nossa lista e receba conteúdos exclusivos e com prioridade

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Quando uma mulher e um homem se amam, desejar um(a) filho(a) é o que há de mais natural.

‘ Ser mãe ’ e ‘ser pai’ é, para muitos, a experiência existencial mais profunda da sua vida, assinalando no processo evolutivo familiar uma mudança normativa: a transição da conjugalidade para a parentalidade.

Maternidade e Paternidade como um encontro – um encontro especial, com contornos únicos, cada um aprendendo o que é “ ser mãe ”, “ser pai” e “ser filho”.

Maternidade e Paternidade como um processo – mais do que acontecimentos e embora com durações temporais diferentes, gravidez, maternidade e paternidade são processos. Do ponto de vista psicológico são processos dinâmicos de construção e desenvolvimento.

A maternidade/paternidade é um processo que ultrapassa a gravidez… é um projecto para
toda a vida. À maneira de um tecido que se vai tecendo, entrelaçando fios, fazendo, e por vezes desfazendo, nós e laços, com linhas de cores e espessuras diferentes… Neste processo também se dá o estabelecimento de novas relações de parentesco na família extensa constituindo um salto geracional – tornar-se “avós”, tornar-se “tios”, tornar-se “primos”.

De díade a tríade… Com o nascimento do primeiro filho, marido e mulher têm que desenvolver novos papéis enquanto pai e mãe – vão enfrentar muitas exigências na educação dos filhos, que pôem à prova a sua paciência, união, auto-estima e criatividade, individual e como casal, na resolução de novos desafios. Desafios à capacidade de se dar, de se descentrar de si próprios. Este desafios – como encontro e como processo ao longo da vida – para algumas mães e pais são preponderantemente entendidos como responsabilidade de ter alguém completamente dependente de si.

Para outras mães e pais têm, também, tonalidades muito positivas, permitindo-lhes pensar na realização pessoal sob a forma de dom e de dádiva. Ser mãe e ser pai é apostar na confiança, é afirmar a vida, é uma Esperança… é um valor social eminente. É fundamental, neste processo de parentalidade, continuar a “acarinhar” o casal.

Drª Maria Teresa Ribeiro, Docente na Faculdade de Psicologia

Share on facebook
Facebook
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Artigos Relacionados

avatar
2000

Subscreva para receber as dicas do Gymbo!

Mantenha-se atualizado com nossas Dicas para o Desenvolvimento do seu Filho, Eventos Especiais e Descontos Exclusivos para Assinantes.

Aula Grátis - Gymboree Portugal
Scroll to Top